Clique e Assine a partir de R$ 20,90/mês

Enem 2018: tema de redação é atual e faz um recorte específico

Prova de redação do Enem 2018 tem como tema “Manipulação do comportamento do usuário pelo controle de dados na Internet”

Por da redação Atualizado em 5 nov 2018, 12h16 - Publicado em 5 nov 2018, 12h06

Pouco tempo depois de ter sido divulgado, o tema da redação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2018, Manipulação do comportamento do usuário pelo controle de dados na Internet, levantou diversas discussões.

Segundo Gabriela de Araújo Carvalho, coordenadora de Redação do Poliedro, o tema da redação foi algo esperado. “Na verdade, o que dificultou a vida de muitos alunos foi sua formulação mais complexa”.

Sérgio Paganim, supervisor de Linguagens do Anglo, concorda que a temática não foi uma grande surpresa: “Essa é a natureza da prova de redação do Enem. O exame propõe temas sociais, políticos, culturais e econômicos sobre os quais muitas pessoas pensam”.

Apesar da familiaridade dos candidatos com o tema, Paganim alerta: “Por um lado, parece um tema simples, que todos dominam, mas, por outro, é uma prova que exige uma leitura aguçada. O candidato precisa ler muito bem cada um dos textos e reparar que a proposta faz um recorte temático extremamente específico”. 

Os textos apresentados pela banca fazem referência ao algoritmo e como o próprio usuário alimenta o sistema com aplicativos de música ou redes sociais, por exemplo, de forma que insere nesse sistema de informações seus gostos e o mesmo influencia nas suas preferências e opiniões.

  • Ao longo do dia, nas redes sociais, muitos se manifestaram sobre a possibilidade de abordar um tema específico na redação: as fake news (notícias falsas). “Isto é algo muito contemporâneo. Ele até poderia mencionar a questão das chamadas fake news, mas a proposta não se limitava a isso”, explica Gabriela.

    Continua após a publicidade

    E, segundo Paganim, a complexidade da temática abordada foi relativamente alta pela forma como esse assunto aparece na nossa sociedade. “É difícil se posicionar diante de um tema polêmico como esse. Não é uma questão de ‘concordo ou não concordo’, do tipo ‘sim ou não’. É algo muito importante para a vida social, mas também é uma discussão difícil de encaminhar em 30 linhas com o tempo cronometrado, com outras questões para serem resolvidas”.

    Ambos especialistas apontaram para uma curiosidade deste ano: não houve a restrição pela banca de que o tema fosse discutido apenas no nível nacional. O que ampliou o leque de possibilidade de análises.

    “A banca oferece esse tema com um recorte que cumpre o papel de uma prova de redação: avalia a capacidade de leitura, de posicionamento e de mobilização de repertório”, conclui Paganim.

    A redação no Enem

    O texto da redação do Enem deve ser dissertativo-argumentativo e o candidato deve apresentar uma proposta de solução para o problema proposto. As redações com sete linhas ou menos receberão nota zero. Também serão eliminados candidatos que fugirem totalmente ao tema proposto e os que escreverem impropérios, desenhos e outras formas propositais de anulação.

    O tema deste ano segue a tendência das últimas edições do Enem, que costuma abordar temas sociais. No ano passado, o tema foi “Desafios para Formação Educacional de Surdos”. Caminhos para combater a intolerância religiosa no Brasil, violência contra a mulher, publicidade infantil, lei seca e movimento imigratório também foram abordados nos últimos anos.

    As redações serão avaliadas de acordo com cinco competências: domínio da norma-padrão da língua escrita, compreensão da proposta da redação e aplicação de conceitos de diversas áreas do conhecimento para desenvolver o tema; capacidade de selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações para defender um ponto de vista; conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação e elaboração de proposta de intervenção ao problema abordado, respeitando os direitos humanos.

  • Continua após a publicidade
    Publicidade