logo-ge

Passou o Enem, e agora? 6 dicas para reta final dos vestibulares

Conversamos com a psicóloga do colégio e cursinho Bernoulli, Tatiana Dornelas, para entender melhor o que fazer agora que o maior vestibular do ano passou

chegando-em-casa

Você também chegou da prova assim? (Imagem: Giphy)

Na reta final…

Descanse, mas sem deixar de lado o ritmo de estudos

Ainda que o Enem já tenha passado, muitos estudantes farão outras provas nas próximas semanas, então, é indicado continuar com os estudos. “O jovem que estudou o ano inteiro já consegue identificar, por meio do Enem, quais são as matérias que não foi tao bem e que precisa revisar para os vestibulares seguintes. Quanto mais ele praticar, mais estará apto a fazer uma boa prova”, diz.

Claro que agora, no fim do ano, o cansaço acumulado é maior. Por isso, Tatiana recomenda que os alunos observem seus próprios limites para estabelecer um ritmo de estudos equilibrado, que não incorra em desgastes físicos e emocionais na reta final.

“Infelizmente, enquanto não passar não dá pra perder o ritmo, mas utilizando o bom senso. O momento mais latente já aconteceu. Agora que passou a prova, o aluno já pode controlar um pouquinho mais o volume de estudos. Então, dá para reservar um tempo para curtir mais a família e fazer atividades que deem prazer”, avalia a psicóloga.

Exausto?

Veja se seu estudo está tendo qualidade

Para seguir com a revisão de conteúdo é importante estar mentalmente tranquilo. Tatiana aponta que, muitas vezes, os alunos ficam tão ansiosos com os vestibulares do fim de ano que acabam estipulando prazos de estudo diários exaustivos. “O aluno sempre quer dar conta de tudo e quer estudar tudo que pode cair na prova. Mas muitas vezes não consegue seguir o ritmo que determinou, porque estuda, mas não tem qualidade”, diz.

Avaliar como estão os níveis de cansaço e humor é o primeiro passo para saber se é possível continuar a fazer exercícios ou se é hora de distrair. Um dos sinais de esgotamento é quando o estudante fica muito tempo tentando resolver um exercício, não consegue, passa para os seguintes, e ainda não é capaz de solucionar.

“São questões que ele fez o ano inteiro e começa errar porque está ansioso. Não tem como o aluno esquecer o conteúdo que sabe. O que ocorre é que ele está cansado, a concentração cai e ele não conseguirá fazer os exercícios de forma efetiva”, explica a psicóloga.

Nesses casos, o ideal é parar e descansar um pouco. “É importante dar uma relaxada… encontrar com amigos, fazer uma caminhada”, sugere Tatiana. A psicóloga lembra que estamos no final do ano e, por isso, esse tipo de atividade de lazer é mais do que bem vinda, desde que o aluno saiba a hora de voltar para os livros e utilize o bom senso para que a concentração nos estudos renda.

Saiu o gabarito…

Não estime seu desempenho somente pelas questões erradas

Por mais que a correção da prova dê aos alunos uma ideia de como foram na prova, o Enem tem um método de avaliação específica, a Teoria de Resposta ao Item (TRI), que atribui peso específico para cada questão do exame. Então, ainda que duas pessoas tenham acertado o mesmo número de questões, é possível ter notas distintas. Além disso, há ainda a pontuação específica da redação. Por isso, a correção pode desencadear muitas expectativas infundadas.

Tatiana destaca que a sensação que o estudante tem, quando faz uma prova, já é um grande indicativo de como foi seu desempenho. Ela lembra que a correção pode prejudicar a concentração de pessoas que são mais ansiosas e irão fazer outras provas.

No entanto, a psicóloga lembra que, para os alunos mais tranquilos, descobrir as questões erradas pode ser uma boa estratégia para avaliar em quais assuntos eles precisarão se dedicar mais nos próximos vestibulares. “Dá para pegar as questões que errou, ver o motivo do engano e treinar melhor, se for um estudante mais calmo”, afirma.

Veja também

Tem outras provas?

Concentre-se nas questões que têm peso

Não é só porque o Enem já passou que é hora de deixar o conteúdo de lado. Muitos alunos ainda farão uma série de outros vestibulares nesta reta final. E vários processos seletivos ainda têm etapas com questões discursivas direcionadas à área de atuação escolhida pelos estudantes. Assim, é importante otimizar a aprendizagem se dedicando às questões que têm peso nas provas – mesmo nas objetivas.

“O tempo está curto, então é melhor organizar o horário de estudos agora no fim do ano se dedicando um pouco mais àquelas matérias que têm peso ou que serão mais cobradas na carreira escolhida. Mas o aluno não pode deixar de estar atento também ao seu próprio limite”, explica Tatiana.

Para descansar…

Estabeleça um período de férias

Está certo que continuar os estudos até o fim das provas é o principal projeto, mas é muito importante não emendar este ano letivo no ano seguinte, seja no cursinho ou na faculdade, para não aumentar ainda mais o desgaste do pré-vestibular.

Definir um intervalo para descansar é essencial. Segundo Tatiana, o tempo mais indicado é o de um mês de férias, assim como o período comum para a maioria dos trabalhadores. Mas olhe bem: férias mesmo. Nada de pegar em apostilas e cadernos de vez em quando!

“Quando o aluno vai estar de férias é super importante tirar um tempo para ficar no ócio e sair totalmente da atmosfera do ambiente de estudos. fazer outras atividades. Nesse tempo é preciso fazer outras atividades de lazer e deixar de lado apostilas, livros didáticos”, afirma Tatiana. E completa: “O estudante é como um profissional. Quando as pessoas saem de férias não querem pensar em trabalhar. O ideal é que a gente vá descansar e não leve nada de trabalho para casa”, diz.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. The Doodle four would not help 4G networks, which
    is now a standard feature in newly launched phones.

    Curtir