logo-ge

Como o coronavírus pode cair no Enem e nos vestibulares?

Pandemia não sai dos noticiários e nós te ajudamos a entender o que pode ser cobrado nas provas

Não se fala de outro assunto. A quantidade de casos confirmados do novo coronavírus (Covid-19) cresce a cada minuto e o surto foi classificado como pandemia pela Organização Mundial da Saúde.

O tema está presente em todos os noticiários, nas conversas entre amigos e nas redes sociais. Pela relevância na nossa sociedade, especialistas apostam que o assunto será cobrado no vestibular. Afinal, já é o grande tema de 2020 (e esperamos que não continue sendo em 2021).

Mas são tantas informações sobre a doença que fica difícil distinguir o que deve receber a sua atenção, como estudante, e que poderá ser cobrado nas provas. Por isso, conversamos com Roseli Macedo Dias, coordenadora de Biologia do Grupo Etapa, e com Marcelo Perrenoud, professor de Biologia do Curso Anglo, e vamos te ajudar nessa tarefa. Confira o que você precisa saber para as provas:

O que é o coronavírus?

O coronavírus faz parte da família de vírus chamada Coronaviridae, a qual pertencem os vírus causadores da Síndrome Respiratória Aguda Grave (Sars) e da Síndrome Respiratória do Oriente Médio (Mers). A grande família dos coronavírus (CoV) já é conhecida desde a década de 1960. Esses vírus podem causar desde um resfriado comum até problemas respiratórios mais graves.

A nova variante da família de vírus, denominada 2019-nCoV, não tinha sido identificada em humanos. Foi apenas no final de 2019 e início de 2020 que os primeiros casos de Covid-19 apareceram em humanos, diagnosticados inicialmente na cidade chinesa de Wuhan, capital da província de Hubei.

Estudos mostraram que o coronavírus foi transmitido de animais para humanos. Segundo um estudo chinês, morcegos infectados o transmitiram a pangolins, animal bastante traficado na China. Os pangolins, por sua vez, infectaram pessoas e agora a transmissão pode ser feita entre humanos.

Qual o nome da doença?

Covid-19.

Qual o nome do vírus?

SARS-CoV-2.

Como ocorre a transmissão?

  • Pelo ar, quando uma pessoa contaminada tosse, espirra liberando gotículas de saliva que podem contaminar outras pessoas;
  • Pelo contato com objetos contaminados com essas gotículas ou secreções respiratórias. A pessoa sadia toca nesses objetos e leva a mão contaminada para a região dos olhos, nariz e boca.

Quais são as medidas de prevenção?

  • Lavar frequentemente as mãos com água e sabão;
  • Usar álcool gel;
  • Ao tossir ou espirrar, usar o antebraço ou cobrir a face;
  • Evitar contato com pessoas com infecções respiratórias agudas;
  • Evitar tocar nas mucosas dos olhos, boca e nariz;
  • Não compartilhar objetos pessoais, tais como talheres, copos ou garrafas;
  • Manter os ambientes bem ventilados;
  • Evitar locais onde há aglomeração de pessoas;
  • Usar máscara cirúrgica descartável somente em caso de aparição dos primeiros sintomas, em locais com grande aglomeração de pessoas.

O que são vírus?

Os vírus são parasitas intracelulares obrigatórios, ou seja, para se reproduzirem, precisam infectar uma célula. Além disso, possuem material genético que é envolvido por uma cápsula proteica. No caso do coronavírus, existe um envelope lipídico externo.

Sintomas

Os sintomas mais comuns do Covid- 19 são infecções de vias aéreas superiores, podendo se agravar até a pneumonia e insuficiência respiratória aguda, com dificuldade respiratória. Os indivíduos mais suscetíveis são os idosos e as pessoas que apresentam algum tipo de doença cardiorrespiratória preexistente.

Veja também

Como o coronavírus pode aparecer no Enem e nos vestibulares

Saber a diferença entre surto, endemia, epidemia e pandemia pode ser uma excelente alternativa para acertar algumas questões, tanto na primeira, como na segunda fase dos grandes vestibulares.

Surto: ocorre quando há um aumento repentino do número de casos de uma doença em uma região específica.

Epidemia: quando acontece um aumento considerável do número de casos de determinada doença em diversas regiões no mesmo país.

Endemia: aqui, a questão não é quantitativa. Uma doença é classificada como endêmica quando acontece com muita frequência apenas em um local específico – não atingindo outras comunidades. Existem as chamadas áreas endêmicas: no caso do Brasil, por exemplo, é possível citar a febre amarela na Amazônia.

Pandemia: em uma escala de gravidade, a pandemia é o caso mais delicado. Ela se caracteriza por uma epidemia que se espalha por diversas regiões do planeta.

 

Além disso, os especialistas ressaltam que estudar bastante sobre o coronavírus e a doença que ele causa (Covid-19) será fundamental, mas as outras viroses que existem no Brasil devem ser também lembradas. A dengue, a febre amarela, o sarampo, a caxumba, a rubéola, a poliomielite, entre outras devem ser revisadas. 

Dengue: a dengue não tem tratamento específico e causa sintomas como febre alta e dores no corpo. Ela é transmitida pela fêmea do mosquito Aedes aegypti, infectada por ter picado alguém com a doença. Para depositar seus ovos e se reproduzir, o mosquito precisa de água parada, por isso as campanhas de prevenção sempre alertam as pessoas a não deixarem água acumulada em garrafas, pneus e vasos de plantas, por exemplo.

Febre amarela: A febre amarela é provocada por um vírus, da família Faviviridae, e pode ser transmitida por diferentes mosquitos vetores. A doença tem esse nome porque ao atacar o fígado provoca icterícia, deixando amarelados os olhos e a pele do enfermo. A prevenção é feita com uma dose da vacina, que deve ser aplicada dez dias antes de visitar locais de possível incidência da doença.

Sarampo: O sarampo é uma doença contagiosa que tem como sintomas febre alta, tosse e manchas vermelhas no corpo. Causada pelo vírus Morbillivirus, a doença pode levar à morte. Sua transmissão ocorre quando o doente tosse, fala, espirra ou respira próximo de outras pessoas. Mas lembre-se: tem vacina contra o sarampo!

Caxumba: A caxumba é causada por vírus da família Paramyxoviridae. A transmissão ocorre por via aérea, por meio da disseminação de gotículas ou por contato direto com a saliva de pessoas infectadas. O principal e mais comum sintoma é o aumento das glândulas salivares, acompanhado de febre. Como não há tratamento específico, também é importante a vacinação contra a doença.

Rubéola: Causada pelo chamado togavírus, a rubéola tem como característica mais marcante manchas vermelhas que aparecem primeiro na face e atrás da orelha e depois se espalham pelo corpo. Altamente contagiosa, ela é transmitida de pessoa para pessoa por meio do espirro ou tosse. A doença possui vacina.

Poliomelite: Também conhecida por paralisia infantil, a poliomielite é uma doença contagiosa aguda causada pelo poliovírus que pode infectar crianças e adultos. A transmissão ocorre por meio do contato direto com fezes ou com secreções eliminadas pela boca das pessoas doentes. Em casos graves, a doença pode acarretar paralisia, principalmente nos membros inferiores. A vacinação é a única forma de prevenção.

Mantenha-se informado

E como se atualizar sobre o tema sem cair em fake news? É importante procurar por fontes confiáveis. Além de portais de notícias respeitados, Perrenoud deu algumas dicas: