Clique e Assine a partir de R$ 20,90/mês

“O Preço do Amanhã”: saiba como utilizar o filme no vestibular

Explore o enredo e enriqueça seu repertório

Por Julia Di Spagna Atualizado em 16 abr 2019, 18h02 - Publicado em 26 jul 2018, 12h25

A ideia desta série de matérias é permitir que você consiga desenvolver um repertório mais amplo e um pensamento crítico mais aguçado com base nas diversas camadas que a sétima arte pode apresentar. As análises dos filmes que faremos aqui buscam mostrar certas relações entre o enredo e temas contemporâneos que podem ser abordados na redação e em outras questões do Enem e dos principais vestibulares do Brasil.

O filme “O Preço do Amanhã” se passa em uma sociedade na qual as pessoas crescem e se desenvolvem até os 25 anos, quando o organismo humano para de envelhecer. Ao completar tal idade, cada um possui apenas mais um ano de vida. Para viver mais do que isso, deve-se conseguir mais tempo.

O tempo restante da vida das pessoas fica estampado na pele do braço esquerdo em uma espécie de relógio que contém dígitos em contagem regressiva. O tempo lá marcado é igual à duração restante de sua vida. Quando o relógio é zerado a vida acaba sem chances de retorno.

O número define também o tamanho da riqueza de cada um. Não há mais centavos ou reais, somente segundos, minutos, horas. Dessa forma, para pagar contas ou fazer compras, por exemplo, as pessoas precisam usar o tempo da própria vida como forma de pagamento.

Em resumo, a moeda corrente é “tempo de vida”.  Ou seja, caso o indivíduo obtenha recursos poderia viver eternamente. As pessoas pobres trabalham arduamente, pedem esmolas, pegam emprestado ou roubam horas para conseguirem chegar vivos até o final do dia.

Os pobres vivem correndo, sempre na iminência da morte, e os ricos sem pressa alguma, pois a eternidade é algo acessível, a menos que sejam mortos por causas não naturais. É uma urgente corrida contra o tempo para as classes mais baixas e um calmo passeio para os ricos.

As classes são divididas em zonas de tempo, de modo que os ricos vivem em uma cidade diferente separada por caros pedágios da área da população carente.

O protagonista é Will Sallas, que vive em uma zona pobre e sempre com as horas contadas. No começo do longa, ele perde a sua mãe: ela morre em seus braços por causa do aumento súbito das tarifas de ônibus, que a obriga a caminhar para chegar em sua casa sem tempo suficiente para isso.

A história muda quando ele recebe mais de um século de um milionário que não via mais sentido em sua vida. Essa transferência gera suspeita dos “guardiões do tempo”, uma espécie de polícia que combate roubos e assaltos desse bem tão precioso. Com isso, o personagem resolve passar as diversas fronteiras entre as cidades e desafiar o sistema.

Ao chegar à área dos ricos, envolve-se com a filha de um poderoso banqueiro. Perseguido pela “polícia do tempo”, para escapar, ele a sequestra e vira uma espécie de “Robin Hood”, roubando tempo dos ricos e distribuindo entre os pobres. A filha do magnata, Silvia, acaba apoiando a causa do jovem, unindo-se a ele aos assaltos nesse mundo no qual tempo é literalmente dinheiro.

É possível explorar o filme “O Preço do Amanhã” a partir de diversos aspectos. Conversamos com Flávia Consolato, professora de redação do Anglo, para estabelecermos os principais e qual a melhor forma de aplicá-los na hora da prova.

Crítica à sociedade capitalista

É possível notar semelhanças entre o filme e a nossa realidade, nessa dinâmica do “tempo é dinheiro”. O filme é uma crítica ao sistema econômico atual (capitalismo), com destaque para a desigualdade social – muitos tendo pouco para que poucos possam ter muito.

A divisão de classes em si e a concentração de riquezas (o tempo) revelam que enquanto poucos podem viver eternamente, o restante da população deve se sacrificar para conseguir o próximo dia de vida.

Além disso, podemos notar a alienação do trabalhador nesse processo, que, segundo alguns autores, seria fruto dessa sociedade. “Eu não tenho tempo. Eu não tenho tempo para pensar como isso acontece. É o que é”, argumenta um dos personagens da área pobre. Os assalariados vivem sem grandes perspectivas, vivendo o hoje e trabalhando muito simplesmente para garantir o amanhã.

Segregação socioespacial

No filme, essa questão mostra-se bastante evidente no fato de existirem duas cidades na trama: uma para os ricos e outra para os pobres.

No “mundo” dos ricos, os hábitos são diferentes. As pessoas estão sempre tranquilas, sem pressa, afinal, possuem todo o tempo necessário, não havendo motivo para correr. Já no “mundo” dos pobres, as pessoas precisam sempre se apressar para sobreviver.

Além disso, os mais pobres não conseguem chegar no centro de poder e riqueza da sociedade por causa dos diversos pedágios que cobram anos de vida a cada parada. O que impede um simples mortal de chegar até lá é justamente a falta de “tempo”.

Quando Will resolve sair da cidade pobre, gasta muitos anos no pagamento dos pedágios e demora para chegar. Vale refletir sobre essas fronteiras – às vezes invisíveis – que separam o espaço urbano dos ricos do espaço urbano dos pobres e as dificuldades de fazer a travessia tanto na realidade quanto no longa.

Saúde e qualidade de vida

No mundo fora da ficção, a morte é o que iguala a todos. Não haver mais a possibilidade da morte é um outro modo cruel de distinção social, com apenas os ricos tendo a possibilidade de viver para sempre.

Aqui, vale fazer um paralelo com a realidade, considerando que as pessoas com maior poder aquisitivo têm acesso a serviços de saúde de qualidade que possibilitam prolongar suas vidas.

E essa relação pode ser estabelecida tanto com o custo de caros tratamentos, quanto com os problemas que as pessoas com menos recursos enfrentam sem acesso a saneamento básico, vacinas e remédios, por exemplo.

Apesar disso, a classe abastada do filme é entediada com a vida. Eles não envelhecem, mas também não se permitem viver livremente. Na cena em que Silvia entra no mar com Will, por exemplo, é ao sentir emoção de uma aventura pela primeira vez que ela decide se juntar a Will na luta contra o sistema.

Durante o filme, a frase de uma das personagens reflete essa questão: “os pobres morrem e os ricos não vivem”.

Controle populacional

Continua após a publicidade

Esse controle sobre a vida das pessoas é justificado no filme pelo combate à superpopulação.

O personagem que doa seu tempo a Will questiona a realidade deles em que “para poucos serem imortais, muitos precisam morrer” e explica por que taxas e preços aumentam dia após dia no gueto: nem todos podem viver para sempre, pois não haveria espaço.

Contudo, ele diz que existe tempo suficiente para todos viverem bem e sem a pressa. Os ricos, que possuem 100, 500 até 1000 anos poderiam fazer doações para as pessoas que não possuem tanto tempo e, mesmo assim, tudo iria funcionar, haveria espaço e ninguém teria seu tempo esgotado.

Meritocracia

“É claro, alguns acham que o que temos é injusto; a diferença entre os fusos. Mas não é esse o próximo passo lógico na nossa evolução? E a evolução não foi sempre injusta? O mais bem adaptado sobrevive. É mero capitalismo darwininano. Seleção natural”, afirma um dos personagens ricos. Nessa fala e em outros momentos do filme é possível notar a exaltação da meritocracia.

Para diversas pessoas nessa sociedade, a falta de oportunidades de muitos e o privilégio de poucos não é questionada, de modo que os personagens aceitam essa dinâmica.

Aqui, não tem problema a riqueza ser algo inacessível para muitos já que para eles isso já é algo “enraizado na humanidade”.  

Ficou na dúvida de como esse conteúdo poderia ser aplicado na sua redação? Vamos ajudá-lo nessa missão. É impossível prever qual será a proposta dos vestibulares. Entretanto, seja qual for o tema, se você estiver munido de diversos exemplos e relações relevantes na hora da prova terá um resultado melhor do que imagina.

No caso do filme “O Preço do Amanhã”, é importante identificar os principais tópicos, como a questão da segregação socioespacial, da meritocracia e as críticas ao capitalismo, por exemplo, e memorizar algumas cenas que exemplifiquem as situações.

Você não precisa assistir ao filme com um caderno fazendo várias anotações. O importante é entender o enredo como um todo e refletir sobre determinados acontecimentos que achar adequados. Se quiser, anote alguns tópicos e pesquise mais sobre os temas que achar mais pertinentes ou nos quais tiver alguma dificuldade.  

Selecionamos algumas propostas de redação de vestibulares de anos anteriores em que você poderia utilizar seus conhecimentos sobre o filme para desenvolver o tema, tanto em termos de relações estabelecidas, quanto em exemplos.

UNB 2018 – A pressa nossa de cada dia: o tempo na contemporaneidade

O primeiro excerto da coletânea, de George Woodcock, permite estabelecer relação com o filme. Fazendo as ressalvas necessárias, já que o longa retrata uma distopia, o estudante poderia estabelecer um paralelo com a realidade contemporânea.

“O homem ocidental civilizado, entretanto, vive num mundo que gira de acordo com os símbolos mecânicos e matemáticos das horas marcadas pelo relógio. (…) O relógio transformou o tempo, transformando-o de um processo natural em uma mercadoria que pode ser comprada, vendida e medida como um sabonete ou um punhado de passas de uvas. Se não houvesse um meio para marcar as horas com exatidão, o capitalismo industrial nunca poderia ter se desenvolvido, nem teria continuado a explorar os trabalhadores. (…) Agora são os movimentos do relógio que vão determinar o ritmo da vida do ser humano”.

O estudante poderia fazer analogias entre o enredo e o funcionamento do capitalismo, aprofundando as principais características do sistema e suas consequências sobre a noção de tempo.

Unesp 2017 – A riqueza de poucos beneficia a sociedade inteira?

O tema aborda distribuição e concentração de renda e leva o estudante a refletir sobre osbenefícios e malefícios do liberalismo econômico e as engrenagens do capitalismo.

Em um trecho da coletânea, extraído de Zygmunt Bauman, há ideias que podem ser associadas com o enredo ao retratar essa distribuição injusta e desigual da riqueza (que, no caso do longa, é o tempo):

“Já se tornou argumento comum a ideia de que a melhor maneira de ajudar os pobres a sair da miséria é permitir que os ricos fiquem cada vez mais ricos. No entanto, à medida que novos dados sobre distribuição de renda são divulgados, constata-se um desequilíbrio assustador: a distância entre aqueles que estão no topo da hierarquia social e aqueles que estão na base cresce cada vez mais”.

Aqui, vale ressaltar como no filme a riqueza de algumas pessoas não beneficiou outros indivíduos e apenas gerou uma concentração de renda ainda maior e mais dificuldades para as classes mais baixas.

Unifesp 2009 – De que forma a humanidade deve tratar o problema da superpopulação

No filme, a humanidade acredita ter encontrado uma suposta solução para o problema da superpopulação com a modificação genética que faz com que todos parem de envelheceraos 25 anos.

A partir dessa idade, as pessoas devem conquistar mais tempo, trabalhando (ou no caso dos ricos, apenas herdando). Entretanto, como o custo de vida é extremamente alto, a maioria morre muito jovem.

O candidato pode refletir sobre como muitas vezes soluções antiéticas são apresentadas para problemas da humanidade, como a superpopulação, à custa do sofrimento dos mais pobres.

Filme: O Preço do Amanhã
Ano: 2011
Direção: Andrew Niccol

 

  • Continua após a publicidade
    Publicidade