Clique e Assine o Passei! a partir de R$ 9,90/mês

Enem 2021: 35 funcionários do Inep pedem demissão coletiva

A maioria dos que assinaram a carta de exoneração são coordenadores do órgão. Crise se agrava e aumenta preocupações em relação ao Enem 2021

Por Juliana Morales Atualizado em 9 nov 2021, 18h24 - Publicado em 8 nov 2021, 16h53

* Reportagem em atualização

Nesta segunda-feira (8), a menos de duas semanas para o Enem 2021, 35 funcionários do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) pediram exoneração coletiva. A maioria dos que assinaram a carta de demissão são coordenadores do órgão. Na semana passada, dois coordenadores já haviam pedido para sair.

Entre os nomes, estão coordenadores gerais de áreas, como Marcela Guimarães Côrtes, e Andréia Santos Gonçalves. Além delas, os servidores Samuel Silva Souza, Hélida Maria Alves Campos Feitosa, Silvana Maria Lacerda Gonçalves e Camilla Leite Carnevale Freire. Confira a lista completa com os 35 nomes que o G1 apurou.

No domingo (7), a reportagem da VEJA já havia apurado que mais servidores deveriam deixar o Inep nesta semana, como noticiamos aqui no GUIA. Segundo documentos obtidos com exclusividade pela revista, “a presidência exercida por Dupas e algumas diretorias subordinadas a ele têm imposto mudanças no quadro de funcionários sem consulta e vetado transferências que já haviam sido acertadas previamente entre quadros do Inep e suas chefias diretas”.

Funcionários denunciam assédio moral e o desmonte do órgão responsável pelo Enem e outras importantes avaliações. Em assembleia na semana passada, servidores falaram de uma “falta de comando técnico” da presidência do órgão. Segundo eles, a atual gestão promove um “clima de insegurança e medo”.

Na última semana, dois coordenadores ligados diretamente à aplicação do exame pediram exoneração. Hélio Júnio Rocha Moraes, coordenador-geral de Logística da Aplicação, e Eduardo Carvalho Sousa, coordenador-geral de Exames para Certificação, trabalhavam há mais de dez anos no órgão

Com as demissões coletivas, a crise da atual gestão do Inep, comandado por Danilo Dupas, se agrava. Com funcionários experientes e com cargos ligados diretamente ao exame, cresce a preocupação em relação a segurança e andamento do Enem 2021, que está previsto para ser realizado nos dias 21 e 28 de novembro.

Por meio do Twitter, o ministro da Educação, Milton Ribeiro, garantiu que o cronograma de execução do Enem 2021 não será alterado em decorrência das exonerações.

Continua após a publicidade

 

Assine o Curso PASSEI! do GUIA DO ESTUDANTE e tenha acesso a todas as provas do Enem para fazer online e mais de 180 videoaulas com professores do Poliedro, recordista de aprovação nas universidades mais concorridas do país.

 

 

Continua após a publicidade

Publicidade