Clique e Assine o Passei! a partir de R$ 9,90/mês

Podcast Marca Texto destrincha ‘A Falência’, de Júlia Lopes de Almeida

O professor Fernando Marcílio, do curso Anglo, analisa ‘A Falência’, de Júlia Lopes de Almeida, obra cobrada no vestibular da Unicamp

Por Redação Atualizado em 21 out 2021, 20h03 - Publicado em 10 ago 2021, 13h13

Parceria do Guia do Estudante com o curso Anglo, o podcast Marca Texto traz análises descomplicadas sobre obras que são cobradas nos vestibulares da Fuvest, Unicamp e outras universidades.

Neste episódio, o professor Fernando Marcílio, do curso Anglo, analisa ‘A Falência’, de Júlia Lopes de Almeida. A obra é cobrada no vestibular da Unicamp.

Sobre ‘A Falência’

Romance mais conhecido de Júlia Lopes de Almeida, a obra publicada em 1901 conta a história de Francisco Teodoro, um português que enriqueceu com o comércio do café, e de sua esposa Camila, mulher de origem pobre que acaba por casar como forma de sair da situação precária que vivia com a família.

Muito da trama se desenvolve no armazém de sacas de café de onde Francisco fez sua riqueza. A família de Teodoro e Camila é constituída por quatro filhos: Ruth, Lia, Raquel e Mário. Além deles, há também Nina, sobrinha de Camila. Ela tem funções na casa e se apaixona por seu primo Mário, um bon-vivant que se aproveita da mordomia de ter uma família rica. O núcleo familiar também é composto pela ex-escrava Noca. O médico Dr. Gervásio frequenta a casa e tem um caso com Camila.

A decadência familiar acontece quando Teodoro é seduzido a investir na bolsa de valores e acaba perdendo sua fortuna muito rapidamente com a queda do valor do café. Assim, acaba suicidando-se e deixando a família sem nada. Camila, sem saída, encontra-se com Gervásio na intenção de que ele se case com ela e adote a responsabilidade de cuidar dela e de sua família. Porém, ele declina e confessa que já é casado, o que deixa Camila sem chão. As únicas pessoas que agora podem ajuda-la são Nina e Noca, que se matam de trabalhar para sustentar a todos.

“A Falência é um romance urbano do Rio de Janeiro que se concentra no relato de uma sociedade machista e patriarcal. O Brasil começa a se modernizar para as elites, mas ainda não consegue superar estruturas tradicionais atrasadas”, explica Fernando Marcílio.

O professor do Anglo reforça que a obra também é voltada para a reflexão sobre o adultério feminino e masculino. Pode ser analisado como um contraponto ao livro ‘Dom Casmurro’ e a imagem de Capitu, retratada pelo contemporâneo Machado de Assis.

 

Contexto

O livro contextualiza a realidade carioca de 1891, ano em que ocorreu uma expansão cafeeira no país.  O Rio de Janeiro era a capital da República e  contava com mão de obra formada por ex-escravizados. O período literário em que o livro é escrito é o Realismo e Naturalismo. A principal característica da obra é problematizar as relações sociais do final do século 20.

Sobre Júlia Lopes de Almeida

Júlia Lopes de Almeida nasceu em 1862 no Rio de Janeiro. Considerada uma escritora com ideais feministas, defendia o direito ao divórcio, a educação para mulheres e também a abolição da escravatura. Casou-se com o português Filinto de Almeida, jornalista e poeta, que acabou ocupando o lugar na Academia Brasileira de Letras (ABL),  que seria da escritora.

 

CRONOGRAMA 2ª TEMPORADA MARCA TEXTO 2021

Estreia 29/06 – Cecília Meireles – Romanceiro da Inconfidência

06/07 – Guimarães Rosa – Campo Geral

Continua após a publicidade

13/07 – Bernardo Carvalho  – Nove Noites

20/07 – Racionais Mc’s  – Sobrevivendo no Inferno

27/07 – Luís de Camões – Sonetos escolhidos

03/08 –  Fernando Pessoa – O Marinheiro

10/08 – Júlia Lopes de Almeida  – A Falência

17/08 – Raul Pompeia – O Ateneu

Na primeira temporada, o Marca Texto trabalhou os livros cobrados na Fuvest 2020. Cada obra tem um episódio específico, dividido em blocos de resumo, interpretação, contexto histórico e análise de personagem.

CONFIRA E OUÇA OS EPISÓDIOS DA PRIMEIRA TEMPORADA:

Aluísio Azevedo – O Cortiço

João Guimarães Rosa – Sagarana

Eça de Queirós – A Relíquia

Gregório de Matos – Poemas Escolhidos

Helena Morley – Minha Vida de Menina

Pepetela – Mayombe

Graciliano Ramos – Angústia

Carlos Drummond de Andrade – Claro Enigma

Machado de Assis – Quincas Borba

Continua após a publicidade

Publicidade