logo-ge

Ciências Econômicas

O economista estuda a produção, a distribuição e o consumo de bens e serviços

O economista estuda a produção, a distribuição e o consumo de bens e serviços. Ele se dedica tanto a grandes questões, nacionais ou mundiais, quanto a problemas de pequenas empresas ou investidores individuais.

Conhecedor do cenário econômico, político e social, o economista elabora relatórios e pareceres analisando a situação atual e faz projeções para o futuro. Ajuda a construir, a ampliar e a preservar o patrimônio de pessoas, empresas e governos. Desenvolve planos para a solução de problemas financeiros, econômicos e administrativos em empresas do comércio, de serviços, na indústria ou no setor financeiro.

Graças a essa versatilidade, encontra trabalho em entidades privadas, institutos e órgãos municipais, estaduais e federais. Pode atuar, ainda, como consultor autônomo. Além de ter habilidade com os números, o economista precisa se manter informado sobre os cenários econômicos local e global. Para exercer a profissão, deve estar registrado no Conselho Regional de Economia.

Fique de Olho

O FUTURO APONTA PARA O COMPLIANCE
Esse termo em inglês é usado para designar uma das áreas mais aquecidas do mercado. Ele significa estar em acordo com as normas, leis, regulamentações e diretrizes específicas da sua área de negócios. Com a informatização dos órgãos governamentais de controle, o endurecimento do combate à corrupção e a pressão popular por transparência e honestidade, essa área deve crescer muito nos próximos anos e demandar cada vez mais o trabalho de economistas.

As empresas estão olhando com mais cuidado para seus balanços financeiros, a fim de evitar fraudes e outros fatores que comprometam sua credibilidade. A busca por certificações internacionais também aumenta a necessidade desse trabalho. Além disso, um setor de compliance bem estruturado evita perdas e traz vantagens, como desconto em linha de crédito, melhor retorno de investimento e aumento da eficiência dos negócios.

ÁREAS ESPECÍFICAS PARA A ECONOMIA
O bacharelado em Economia da FGV-Eesp começou a oferecer em 2017 três áreas de concentração ou ênfases: Engenharia Financeira (para atuação no mercado financeiro), Microeconomia Aplicada (que diz respeito a cada agente econômico, como famílias, empresas e trabalhadores) e Macroeconomia Aplicada (relacionada à política econômica de um país, por exemplo).

Nos dois primeiros anos, os alunos cursam disciplinas básicas para a formação geral do economista. A partir do terceiro ano, eles fazem a opção pela área escolhida. A USP de Ribeirão Preto também oferece um diferencial. O curso Economia Empresarial e Controladoria tem duas habilitações: Economia ou Contabilidade. Já a UFC, em Sobral e em Fortaleza, tem o curso específico de Finanças, com foco em teoria econômico-financeira e em métodos quantitativos. Ele busca preparar os alunos para a docência e a pesquisa, além de atuar no mercado, em áreas como consultoria empresarial, planejamento financeiro e análise de risco.

O que você pode fazer

Comércio internacional Planejar e promover negócios entre empresas de diferentes países, estudando mercados e cuidando das operações de importação e exportação.

Economia agroindustrial Estudar e planejar transações do agronegócio, analisando a demanda de produtos e a melhor forma de colocá-los no mercado nacional e internacional.

Economia ambiental Participar da elaboração de projetos ambientais em indústrias, ONGs e órgãos públicos. Fazer análises de impacto ambiental.

Mediação e arbitragem Ajudar a resolver litígios comerciais entre empresas, recorrendo ou não à Justiça.

Mercado fnanceiro Analisar o mercado e indicar quais os melhores investimentos. Atuar como operador de bolsa de valores ou em corretoras.

Perícia Consultoria e apuração em operações financeiras para fins judiciais ou extrajudiciais.

Pesquisa Levantar a variação de preços, de custos e outras informações para indicadores econômicos, como índices de inflação, de desemprego e o custo de vida.

Planejamento estratégico Avaliar as oportunidades e os riscos de mercado para redirecionar os negócios de uma empresa ou organização. Orientar aquisições e fusões.

Políticas públicas Definir a política econômica de municípios, de estados ou do país. Elaborar orçamentos que possibilitem as ações planejadas pelos governos.

Mercado de Trabalho

Das 65 carreiras mais bem posicionadas no mercado em 2017, segundo levantamento da revista Exame junto a 20 empresas de recrutamento, 17 podem ser exercidas por economistas. Esse graduado tem um amplo campo de atuação e é demandado em vários ambientes de negócios.

No mercado financeiro e de capitais e em empresas de consultoria são requisitados para fazer avaliações macroeconômicas e projetar cenários, analisando fatores como câmbio, desemprego, juros, inflação e taxa de crescimento. Indústrias, grandes empresas de agronegócios e os setores de comércio e serviços também buscam economistas para cuidar da parte financeira e prospectar novos negócios.

Empresas de pequeno e médio porte, por sua vez, precisam do graduado para liderar áreas como tesouraria, controladoria e planejamento financeiro. No setor de recursos humanos, o bacharel é contratado para gerenciar a folha de pagamentos, tornando-a eficiente e coerente com a estratégia de negócios da empresa.

O profissional pode também trabalhar para o setor público, em órgãos como ministérios, agências reguladoras, Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e Banco Central. É possível, ainda, seguir carreira acadêmica, em instituições de pesquisa e no Ensino Superior. Grandes centros, como São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte, têm o maior número de ofertas, mas ganham importância as cidades de médio porte. No Distrito Federal, há um grande número de vagas no setor público.

Curso

Além de matemática financeira, estatística e econometria – que é a aplicação dos conceitos de estatística à análise de dados econômicos –, o currículo traz disciplinas que ensinam a entender as correntes do pensamento econômico e a evolução econômica, social e histórica brasileira e internacional. Contabilidade e direito também fazem parte da grade curricular.

O currículo de algumas instituições exige estágio. Já a entrega de um trabalho de conclusão de curso é obrigatória. Atenção: há escolas que oferecem o curso com enfoque específico, como integração e desenvolvimento, caso da Unila, em Foz do Iguaçu (PR). O curso da UEM, em Maringá (PR), possui três ênfases distintas: agrícola (voltada para a economia do agronegócio), regional (envolve as áreas de planejamento e desenvolvimento regional em setores públicos) e empresarial (concentra-se no mercado financeiro). Outras instituições voltam-se para diferente áreas.

Duração média: 4 anos.

Outros nomes: Econ.; Econ. Empr. e Control. (contabilidade); Econ. Empr. e Control. (econ.); Fin.

 

Legenda:

Estrelas da Avaliação do Guia do Estudante

★★★★★ - Excelente

★★★★ – Muito bom

★★★ - Bom

CPC – Conceito Preliminar de Curso ① ② ③ ④ ⑤ 

O CPC é o indicador do Ministério da Educação que mede a qualidade dos cursos. Ele varia de 1 (menor valor) a 5 (maior valor). Ele está informado na ficha do curso para todas as graduações que tinham esse indicador disponível (fonte: site do Inep, anos 2014, 2013 e 2012). 

Cifrões – Referem-se às faixas de preço da mensalidade:

$ - Até 500,00 reais

$$ - De 500,01 a 750,00 reais

$$$ - De 750,01 reais a 1.000,00 reais

$$$$ - De 1.000,01 a 1.500,00 reais

$$$$$ - Acima de 1.500,01 reais

n/i - Valor não informado