Clique e Assine a partir de R$ 20,90/mês

UFSC anuncia corte de diversos serviços a partir deste mês

Mais de 11 mil alunos ficarão sem os serviços dos bandejões

Por Taís Ilhéu Atualizado em 3 set 2019, 16h57 - Publicado em 3 set 2019, 15h29

A Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) deve expandir as medidas de contenção de gastos a partir do dia 15 deste mês, remanejando turmas do período noturno para economizar energia elétrica e até restringindo funcionamento de serviços como ar condicionado nas salas de aula e diminuindo a oferta do restaurante universitário. A estimativa é que até 11 mil estudantes fiquem sem as refeições dos “bandejões”. 

Os cortes de serviços foram anunciados na última sexta-feira (30) e devem entrar em vigor daqui há duas semanas caso os 30% da verba discricionária da universidade não forem descontingenciados pelo Ministério da Educação (MEC). Assim como outras grandes universidades brasileiras, entre elas a UFRJ, a UFU e a UFMG, a federal de Santa Catarina já vem tomando algumas medidas para lidar com os cortes no orçamento. 

  • Os serviços de vigilância da universidade foram reduzidos, assim como os de limpeza. Cursos de capacitação de professores também foram congelados e o número de editais para bolsas de pesquisa e extensão sofreu redução. Essas medidas, associadas a que serão implementadas esse mês, serão suficientes para manter o funcionamento da UFSC somente até meados de outubro deste ano. A partir daí, a universidade precisará pensar novas medidas. 

    Conheça alguns dos cortes previstos para a partir do próximo dia 15: 

    • Redução dos contratos de terceirizados da UFSC;
    • Concentração das aulas do noturno em apenas três campi, para economia de energia elétrica;
    • Uso de videoconferência em bancas com membros externos e em reuniões administrativas com integrantes dos campi da UFSC fora da capital;
    • Suspensão de novas bolsas e de renovação em estágios, monitoria, pesquisa e extensão;
    • Redução dos serviços do Restaurante Universitário — será oferecido apenas para os alunos que hoje têm isenção da taxa de R$ 1,5, restringindo o uso de cerca de 11 mil alunos;
    • Suspensão da Semana de Ensino, Pesquisa e Extensão (Sepex) em todos os campi da UFSC.

    Em assembleia realizada nesta terça (3), professores, técnicos e alunos da UFSC votaram contra a adesão ao Future-se. O indicativo será encaminhado ao Conselho da universidade, que é quem decide formalmente sobre a adesão ou não.

    Continua após a publicidade
    Publicidade