Assine com até 65% de desconto

Kamala Harris e a importância da representatividade

A vice-presidente eleita nos Estados Unidos será a primeira mulher negra a ocupar o cargo

Por Giulia Gianolla Atualizado em 14 nov 2020, 15h26 - Publicado em 13 nov 2020, 16h37

Em 2020, as eleições nos EUA foram cercadas de polarização, fake news e desconfianças quanto à legitimidade da contagem de votos. A vitória de Joe Biden – reconhecida tanto internamente como pela maioria dos líderes globais – é histórica não apenas pela derrota da extrema-direita, representada pelo atual presidente Donald Trump, mas também pela presença da vice eleita, Kamala Harris. Ela é a primeira mulher e a primeira pessoa negra a ocupar o cargo. 

A ascensão da hoje senadora vem num ano marcado pelos protestos em prol do combate antirracista, o Black Lives Matter.  Mas o que a vitória da chapa Biden-Harris significa para a representatividade de negros em cargos de liderança? Além disso, em países com histórico escravagista, como Estados Unidos e Brasil, as oportunidades nas universidades e no mercado de trabalho melhoraram realmente ou ainda há uma dívida histórica para ser paga?

Para começar a entender essa questão, vamos conhecer um pouco mais dessa vice-presidente histórica.

Afinal, quem é Kamala Harris?

Filha de mãe indiana e pai jamaicano, a primeira vice-presidente negra tem uma história de pioneirismo na política. Ela foi a primeira negra procuradora na história do estado da Califórnia e a segunda mulher a ocupar uma cadeira no Senado nos Estados Unidos. Pré-candidata pelo partido Democrata para as eleições de 2020, Kamala suspendeu sua campanha e foi escolhida para integrar a chapa presidencial de Joe Biden, em agosto. A escolha de Harris deu força para a candidatura democrata, uma vez que, em meio aos protestos do Black Lives Matter, ela se tornou uma figura representativa.

Kamala é pop. Mais acessível e carismática do que os candidatos à presidência, ela recebeu apoio da camada mais jovem da população americana. A história de seus pais imigrantes e até de seu relacionamento com o atual marido, Douglas Emhoff, aproximou a senadora dos eleitores.

++ Barack Obama: os pontos positivos e negativos de seu governo

++ Glossário para entender o Movimento Negro nas redes sociais (e fora delas)

Kamala tem um currículo invejável e, segundo muitos analistas, está sendo preparada para assumir a cabeça da chapa em 2024, uma vez que Biden estará perto dos 82 anos na próxima campanha. Não seria a primeira vez que os Estados Unidos teriam um presidente negro – Barack Obama governou de 2009 a 2017. Mas seria a primeira mulher no comando do país. Mas, para muitos brasileiros, ela não é percebida como uma mulher negra por causa do seu tom de pele mais claro.

O GUIA conversou com Linoca Souza, artista visual negra que ilustra a coluna de Djamila Ribeiro no jornal Folha de S. Paulo. Em seu trabalho, ela busca a representação da mulher e de religiões de matriz africana. “Meu trabalho tem uma busca do meu lugar no mundo e da minha compreensão como pessoa não-branca no Brasil”, diz ela. “Assim como muitas pessoas filhas de pessoas pretas e que tem tons de pele mais claro no Brasil, acabo caindo neste lugar de tentar entender o que somos. Não somos brancas, mas o que nos ensinam sobre o fenótipo de pessoas pretas também parece distante em muitos momentos. Ainda mais com o mito da democracia racial, que finge que somos todos iguais.”

Continua após a publicidade
A artista visual Linoca Souza representa as mulheres negras em seu trabalho Linoca Souza/Divulgação

É inegável que os exemplos de mulheres negras em destaque têm crescido na última década. Beyoncé, Lupita Nyong’o, Lizzo e Maju Coutinho, que hoje ocupa sozinha a bancada do Jornal Hoje na TV Globo, são apenas alguns dos grandes nomes que servem de inspiração quando se fala de representatividade. Em 2019, por exemplo, a cantora IZA foi destaque no Rock in Rio ao trazer uma menina negra de 9 anos para dançar no palco com ela. Hoje, a menina Luara tem mais de 280 mil seguidores no Instagram.

Ver essa foto no Instagram

Uma publicação compartilhada por IZA (@iza)

Falta representatividade?

A representação de negros e mulheres na política, na educação e no mercado de trabalho melhorou, mas ainda há muito para mudar. Dados da União Interparlamentar mostram que apenas 24% de todos os parlamentares mundiais são mulheres. No Brasil, as mulheres representam somente 16% do total de políticos eleitos em 2018, mesmo somando 52% da população geral, segundo o TSE.

Para a população negra, a falta de representação vai além das cadeiras políticas.  De acordo com a pesquisa “Desigualdades Sociais por Cor ou Raça no Brasil”, em 2019, o índice de alunos pardos e negros matriculados em universidades públicas brasileiras superou a taxa de alunos brancos pela primeira vez na história alcançando 50,3%. No entanto, quando se compara esses números com os índices da população branca, a desigualdade racial continua latente.  O IBGE aponta que 78,8% dos jovens brancos entre 18 e 24 anos estão no Ensino Superior. Entre os negros na mesma faixa etária, essa porcentagem cai para 55,6%.

Maniqueísmo

Linoca chama atenção para a visão maniqueísta que pode acontecer em torno da figura de Kamala. “Eu visualizo a importância da figura dela de modo estratégico para a retirada do Trump.  Entretanto, não podemos achar que haverá uma grande transformação, que os EUA deixarão de brigar por ser potência, ou que o partido não terá algumas questões ao longo do mandato que serão contrárias ao que eu ou outras pessoas negras e imigrantes dos EUA acreditam”.

E como melhorar a representatividade?

Para a artista, na política, a mudança deve vir dos partidos, que devem se mobilizar para, além de lançar candidatura, dar suporte a mulheres candidatas. Ela lembra do caso de Lélia Gonzalez, referência no ativismo negro, que se candidatou como deputada federal na década de 1980 e não foi eleita por falta de apoio. “Anos se passaram e continuamos na mesma situação. Partidos utilizam figuras femininas para se promoverem, mas não se organizam sequer para manterem um comitê para essas mulheres.”

++ Glossário do feminismo: entenda os termos usados pelo movimento

++ 8 livros para refletir a questão racial no Brasil e nos Estados Unidos

Caminho aberto para outras mulheres?

No período da eleição de Dilma Rousseff como primeira presidente mulher no Brasil, analistas diziam que ela havia quebrado um “teto de vidro” – o que seria uma metáfora para barreiras invisíveis que impediam mulheres de ocupar cargos como o dela. Kamala, nesse caso, representaria o mesmo na política norte-americana.

“Ocupar um cargo pela primeira vez é grandioso e necessário, mas não rompe todas as barreiras, porque o padrão masculino, branco e hétero, que vem sendo construído há anos, ainda não oferece as mesmas oportunidades para as mulheres.”

Linoca Souza

A menor representação e a falta de oportunidades não se justifica pela competência das mulheres em cargos de liderança no mundo. Em 2020,  uma pesquisa realizada pelo Fórum Econômico Mundial e pelo think tank Center for Economic Policy Research chamada “Liderando a luta contra a pandemia: Gênero ‘realmente’ importa?”, em tradução livre, mostra que países governados por mulheres tiveram resultados “sistematicamente e significativamente melhores” na resposta ao coronavírus. Estabelecendo medidas rígidas de isolamento mais cedo, estes países reduziram pela metade o número de mortes em relação a nações encabeçadas por homens. A reportagem da revista Veja detalha esse desempenho das lideranças femininas aqui

A ilustradora é timidamente otimista: “Vejo um leve aumento da presença feminina em espaços políticos, cargos públicos e também lideranças de empresas. Mas isso ainda precisa aumentar em muitos níveis. Se olharmos o caso do assassinato da vereadora Marielle Franco ou até mesmo as cobranças que já vêm sendo feitas com a Kamala, independente das afinidades que as pessoas têm com ela, vemos que barreiras estão apenas começando a serem trincadas”.

Prepare-se para o Enem sem sair de casa. Assine o Curso Enem do GUIA DO ESTUDANTE e tenha acesso a centenas de videoaulas com professores do Poliedro, que é recordista em aprovações na Medicina da USP Pinheiros.

Continua após a publicidade
Publicidade