Clique e Assine o Passei! a partir de R$ 9,90/mês

Sem lanche na sala: entenda as medidas de proteção da Fuvest

Prova ocorre neste domingo (10) em 35 cidades paulistas com cuidados para evitar o contágio pelo novo coronavírus

Por Luccas Diaz Atualizado em 8 mar 2021, 19h38 - Publicado em 8 jan 2021, 19h13

Um dos exames mais aguardados pelos vestibulandos ocorre neste domingo (10). A prova, organizada pela Fundação Universitária para o Vestibular (Fuvest), é a porta de entrada principal para a Universidade de São Paulo (USP). Em meio ao aumento de número de casos da covid-19 e regresso para a fase vermelha em algumas regiões do estado de São Paulo, o órgão tomou medidas de segurança sanitária para reduzir as chances de contágio durante a avaliação.

As medidas já conhecidas do público se mantêm: uso de máscara constante, distância de, no mínimo, 1,5 metro entre os candidatos, e higienização das mãos e de superfícies com álcool em gel 70%. Além disso, a prova contará com uma estrutura inédita para tentar garantir a segurança dos candidatos. A seguir, confira as principais ações preventivas que a fundação tomará no domingo e como ela afeta a sua vida se você é um dos inscritos.

Mais locais e menos alunos por sala

Cerca de 130 mil vestibulandos irão prestar a primeira fase da prova e, para acomodar de forma segura esses candidatos, o número de locais de prova aumentou de 88 no ano passado para 148 este ano. O acréscimo de 60 novos polos de aplicação faz parte da medida da fase amarela do estado de São Paulo de garantir que ambientes só funcionem com 40% da capacidade total. As 35 cidades que sediarão a prova contarão, no total, com 5.319 salas.

Salas anticontaminação

As medidas de biossegurança incluem a abertura de janelas e o desligamento de aparelhos de ar-condicionado, potes de álcool em gel à disposição nas salas e sachês individuais para cada aluno limpar sua carteira antes de se acomodar. Todos os fiscais usarão um kit de equipamentos de proteção individual fornecido pela fundação, com máscara, face shield e luvas. Serão aplicadas medidas de higiene e monitoramento de todos os 10.665 fiscais e colaboradores antes e durante a avaliação. Os candidatos também devem apenas mostrar o documento com foto para conferência – sem que ele precise ser entregue na mão do fiscal. As carteiras terão identificação com adesivos.

Alimentação somente fora da sala

Será proibido se alimentar dentro das salas de aplicação – mas será possível consumir líquidos, como água, isotônicos e sucos. A restrição faz parte da regra que estabelece o uso de máscara constante como obrigatório para todos os inscritos. Para o momento da alimentação (são sugeridas barrinhas de cereais, bolachas e outros alimentos sólidos de rápido consumo), o candidato deverá solicitar ao fiscal que o leve até o ambiente determinado para o consumo. Somente nessa hora o inscrito poderá retirar a máscara. Não haverá tempo extra para o candidato; a prova da Fuvest tem 5 horas de duração.

Não haverá medição de temperatura

A organização do vestibular optou por não aferir a temperatura dos estudantes ao entrar nas salas de aplicação. No segundo dia de prova da Unicamp, um candidato foi eliminado por apresentar temperatura acima da normal num dos poucos locais de prova que seguiram esse protocolo. “A maior parte dos candidatos é composta de jovens. Epidemiologicamente, os jovens apresentam-se mais assintomáticos do que os outros extratos da população. Dentre os sintomáticos, apenas uma pequena parcela desenvolve febre (temperatura acima de 37,8º C) como sintoma”, afirma a Fuvest. Em nota enviada ao GUIA, a fundação afirma que a medição da temperatura poderia causar aglomerações e ser facilmente fraudada pelo candidato: “ele pode dissimular facilmente um estado febril com o uso de antipirético, de forma que a aferição de temperatura não será um diferencial em relação à presença de demais sintomas.”

Parte da estrutura elaborada pela Fuvest inclui ter uma “equipe médica e ambulâncias disponíveis durante todo o período de aplicação da prova para orientações e/ou atendimentos, conforme a necessidade.”

Fuvest 2016
Alunos prestam a prova da Fuvest, em 2016 Redes sociais/Reprodução

 

Candidatos com coronavírus ou próximos de pacientes não deverão fazer a prova

Na cartilha de orientações aos candidatos, está definido que os inscritos que tiverem suspeita de covid-19, contato domiciliar ou próximo com pessoas que contraíram o vírus a partir de 01/01/2021 ou se o próprio estiver infectado a partir deste mesmo dia, não deverá comparecer na prova. Diferentemente do Enem, não há planejamento de uma remarcação para os candidatos que passarem pela situação.

Continua após a publicidade

Candidatos que tiverem contato com infectados serão avisados

Em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo, Belmira Bueno, diretora da Fuvest, afirmou que os candidatos que realizarem a prova em salas que, futuramente, tiverem casos, serão avisados. Entretanto, a fundação não se responsabilizará pela infecção, por acreditar na eficiência de sua estrutura anticontaminação. “Estruturamos um plano para evitar ao máximo as contaminações. Se percebemos um nível alto de casos numa sala, por exemplo, comunicaremos todas as pessoas que estiveram nela para fazerem exames e se cuidarem. Mas não podemos ser responsabilizados por isso porque as regras de biossegurança foram implementadas”, disse.

Portões abrirão 30 minutos mais cedo

Para evitar as tradicionais aglomerações na porta dos locais de prova, cursinhos e atléticas estão proibidos de ficar na frente dos prédios que sediarão a avaliação. Acompanhantes também são instruídos a deixar o local. Este ano, os portões abrirão 30 minutos antes do horário original para que os inscritos possam entrar nas salas bem antes do início do exame. Os portões abrirão às 12h e fecharão às 13h, no horário de Brasília.

Candidato que se recusar a usar máscara realizará a prova, mas será desclassificado

O inscrito que insistir em não permanecer de máscara durante toda a realização do exame será instruído, por meio do diálogo, a não retirá-la. Caso insista, ele será levado a um local separado e terminará a prova de modo isolado, para não prejudicar os outros candidatos. Entretanto, a ação será oficialmente registrada e o candidato será desclassificado do processo seletivo.

A prova irá ocorrer mesmo se a região de aplicação estiver na fase vermelha

A Fuvest, com o consentimento do Centro de Contingência da Pandemia do governo de São Paulo, tem autorização para aplicar a prova mesmo se a região estiver na fase vermelha do plano de prevenção. A justificativa para a exceção, segundo a Fuvest, é que as medidas de segurança e prevenção tomadas garantem uma realização segura.

São 8.242 vagas em cursos da Universidade de São Paulo pela prova da Fuvest e mais 2.905 pelo Sisu, a partir da nota do Enem 2020 (realizado no 17 e 24 de janeiro). Saiba tudo sobre a Fuvest na seleção de links abaixo:

++ Fuvest 2021 informa alteração nas salas de prova

++ Fuvest: veja o que mais cai em cada disciplina no exame

++ Na reta final, Jornal da USP publica análises das obras da Fuvest

++ Fuvest 2021: qual a melhor forma de aproveitar as cinco horas de prova?

++ Em meio à pandemia, Fuvest só muda formato de provas específicas

Continua após a publicidade
Publicidade