Assine Guia do Estudante ENEM por 15,90/mês
Continua após publicidade

4 evidências de que a Índia pode se tornar a próxima potência mundial

Entenda como o país está atraindo os holofotes do mundo – e os grandes problemas que ainda precisa resolver

Por Ludimila Gomes
Atualizado em 29 abr 2024, 19h07 - Publicado em 29 abr 2024, 10h00

Existem alguns fatores em comum entre países que entram no holofote geopolítico e se tornam alvo de cortejo – ou desafeto – de outras grandes potências. A Índia já conseguiu pousar uma sonda na Lua, possui um pequeno arsenal de armas nucleares, tem o segundo maior exército do mundo e tornou-se a nação mais populosa de todas. São por essas e outras razões que muitos analistas acreditam que o país tem potencial de se tornar a próxima superpotência mundial.

Compreenda em detalhes 4 indícios que apontam para esse crescimento vertiginoso da Índia e quais são os desafios que ela precisa enfrentar antes de ser chamado de potência econômica ao lado dos gigantes do mundo.

+ Índia, um país de contrastes

1. Armamento nuclear

Possuir armamento nuclear, mesmo que não utilizado em batalha, faz com que um país ganhe a atenção do restante do mundo. Isso acontece porque a nação tem poder para destruição em massa, podendo se defender de maneira agressiva em caso de ataque ou atacar em grandes proporções de uma única vez, como fez o próprio Estados Unidos contra o Japão na Segunda Guerra Mundial.

De acordo com a NTI, fundação sem fins lucrativos responsável por fazer pesquisas sobre armas nucleares e biológicas, a Índia fez seu primeiro teste atômico em 1974 no deserto de Rajasthan. O teste alarmou o Paquistão e outros países que possuíam armamento nuclear, inclusive os Estados Unidos, que suspenderam a ajuda financeira ao país na época.

Continua após a publicidade

Além de realizar testes atômicos ao longo dos anos, com a justificativa de que eram estudos pacíficos sobre energia nuclear, a Índia não faz parte do Tratado de Não Proliferação Nuclear (TNP), em vigor desde 1970. O objetivo do tratado era chegar ao desarmamento nuclear completo no mundo todo.

+ E se o Brasil desenvolvesse armas nucleares?

2. Exploração espacial

Em 2018, a Índia bateu o recorde mundial ao lançar 104 satélites de uma única vez e colocá-los em órbita ao mesmo tempo, juntos. Já em agosto de 2023, o país pousou no polo sul da Lua com a sonda Chandrayaan-3, gerenciada pela ISRO (Organização de Pesquisa Espacial Indiana).

O pouso no polo sul da Lua é considerado ousado e ambicioso porque essa é uma face do satélite com temperaturas que chegam a -203°C, já que não recebe luz solar há bilhões de anos. Além disso, é um lado da Lua traiçoeiro, cheio de crateras inexploradas. Adicionalmente, no mês seguinte, a Índia enviou um foguete espacial com o objetivo de estudar a coroa solar, parte mais quente da atmosfera do Sol.

Continua após a publicidade

A ISRO é uma agência governamental do país que recebe dinheiro das iniciativas privadas para realizar as missões espaciais e chamou a atenção do mundo por conseguir reduzir os custos das explorações. A única missão a Marte da Índia custou 75 milhões de dólares no total, enquanto uma das missões para o mesmo planeta realizada pela NASA, agência espacial do governo dos Estados Unidos, custou aproximadamente 672 milhões de dólares.

Isso se dá pela reutilização e o fornecimento local de componentes, além do uso de foguetes menos potentes. A Índia utilizou a atração gravitacional da Lua para levar a nave à órbita lunar, como explicou K. Sivan, ex-presidente da ISRO, em entrevista para a BBC. A viajem ao satélite dura mais tempo, porém, é mais barata.

+ Guia explica turismo espacial

3. Crescimento populacional

O país já ultrapassou a China em população – os indianos somavam 1,417 bilhão em 2022. Embora os chineses cheguem bem perto, com 1,412 bilhão de habitantes, a China tem uma grande população de idosos. A Índia, por outro lado, tem uma população jovem (com média de 28,7 anos) e que pode estar inserida no mercado de trabalho. Em conceitos demográficos, isso é chamado de População Economicamente Ativa.

Continua após a publicidade

Ter uma grande população jovem, em condições de trabalhar e consumir, é um fator importante para o sucesso econômico de um país, o que nos leva ao próximo item.

+ China e a Nova Ordem Mundial: tudo que você precisa saber

4. PIB em disparada

De acordo com o Fundo Monetário Internacional, em 2022 a Índia se tornou a quinta maior economia mundial, ultrapassando o Reino Unido. Essa lista é orientada pelo PIB, o Produto Interno Bruto, de cada nação – que, vale lembrar, nada mais é do que a soma de todos os bens e serviços produzidos pelo país no período de um ano. 

Se o número já surpreende hoje, as estimativas para o futuro são ainda mais assombrosas: estima-se que até 2027 ela salte para a terceira posição, atrás apenas de Estados Unidos e China. Embora os indianos sejam relevantes exportadores de óleo refinado e diamantes, por exemplo, a principal atividade ligada a esse crescimento econômico foi o setor de telecomunicações e softwares.

Continua após a publicidade

O impressionante PIB de 3,7 trilhões gerado em 2023, no entanto, se contrapõe a outros números pouco animadores: os da renda per capita e taxa de desemprego.

+ “Economia é mais de exatas ou de humanas?”

Vilões do desenvolvimento

A polarização política e principalmente a desigualdade social são algumas pedras que a Índia encontrará no caminho antes de se tornar uma superpotência.

A polarização política é coisa antiga no país e vem se intensificando nos últimos anos, principalmente após a vitória do partido nacionalista hindu, de Narendra Modi, em 2014. Modi é primeiro-ministro desde então. Após a vitória, casos de ataques contra muçulmanos cresceram no país. 

Busca de Cursos

Continua após a publicidade

A desigualdade social também está longe de ser um problema novo, mas pouco parece ser feito para mitigá-la. Em entrevista à BBC, Ashoka Mody, professor de política econômica internacional na Universidade de Princeton, nos Estados Unidos, classificou a desigualdade como a maior vilã contra a ascensão da Índia.

Enquanto 162 indianos figuram na lista de bilionários do mundo, quase metade da população vive abaixo da linha da pobreza determinada pelo Banco Mundial, que é de aproximadamente 3 dólares por dia (R$ 15,46).

+ Desigualdades sociais: entenda como surgem e por que elas se perpetuam

Entre no canal do GUIA no WhatsApp e receba conteúdos de estudo, redação e atualidades no seu celular!

Compartilhe essa matéria via:

 Prepare-se para o Enem sem sair de casa. Assine o Curso GUIA DO ESTUDANTE ENEM e tenha acesso a todas as provas do Enem para fazer online e mais de 180 videoaulas com professores do Poliedro, recordista de aprovação nas universidades mais concorridas do país.

Publicidade
4 evidências de que a Índia pode se tornar a próxima potência mundial
Atualidades
4 evidências de que a Índia pode se tornar a próxima potência mundial
Entenda como o país está atraindo os holofotes do mundo – e os grandes problemas que ainda precisa resolver

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se você já é assinante faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

MELHOR
OFERTA

Plano Anual
Plano Anual

Acesso ilimitado a todo conteúdo exclusivo do site

a partir de R$ 15,90/mês

Plano Mensal
Plano Mensal

R$ 19,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.