logo-ge

Como conciliar robótica e eletrônica com paixão por biologia?

Orientador profissional esclarece

“Estudo Engenharia da Computação, mas, por motivos pessoais, não quero permanecer nesta faculdade. Gostaria de mudar de curso e cidade. Tenho paixão pelo comportamento de animais e funcionamento biológico. Mas também adoro robótica, eletrônica, mecânica. Não acho um curso que englobe os dois. Nem mesmo planejando fazer duas faculdades, não sei qual curso escolher primeiro.”

enviado por Armando

Cientista em laboratório

Durante a vida as pessoas desenvolvem vários interesses e “paixões”; afinal, estão sempre em transformação, construindo-se, renovando-se. Como ponto de partida seria importante conhecer os “motivos pessoais” que o levam a pensar em abandonar a formação em Engenharia da Computação. Observe que, por desconhecer tais motivos, não é possível saber por que a opção de mudança de cidade com transferência de matrícula e continuidade do curso não se apresenta.

A princípio, como você declara que se interessa por robótica e eletrônica, que poderia lhe servir como primeira formação e, eventualmente, você poderia realizar especializações nestes campos.

Nem sempre as pessoas conseguem sintetizar seus diversos interesses no campo profissional, o que não significa que devem deixá-las de lado. Além do exercício profissional, há diferentes formas de contemplá-los, como estudos livres ou atividades de lazer por exemplo. Realizar duas formações muito diferentes provavelmente não resolverá suas questões, já que de fato você terá que no futuro optar por uma delas para o exercício profissional.

Você pode pesquisar algumas carreiras que de alguma forma podem aproximar minimamente suas duas áreas de interesse, embora nenhuma pareça contemplar diretamente a forma como você as relata: Informática Biomédica, Física Médica, Biotecnologia e Nanotecnologia. Neste último caso, esta pode ser uma opção de pós.

Considere que uma das maiores dificuldades do processo de escolha é ter que abdicar de outras opções quando ocorre a definição de um caminho a seguir – o que envolve uma “ato de coragem”.