Clique e Assine a partir de R$ 20,90/mês

Enem adiado? Entenda o que pode levar o exame para 2022

Indícios apontam para a necessidade do adiamento do exame para 2022

Por Juliana Morales 21 Maio 2021, 19h04

Estudantes estão apreensivos com as incertezas do calendário do Enem. Muitos indícios apontam para o adiamento do exame para o começo de 2022. Em documento enviado recentemente ao ministro da Economia, Paulo Guedes, o Ministério da Educação admitiu não ter dinheiro para aplicar a prova para todos. Sem edital e cronograma oficial divulgados, as etapas que antecedem a avaliação já estão atrasadas.

O MEC nega informações sobre o adiamento e, até o momento, ainda aposta na possibilidade de aplicar o Enem em outubro ou novembro deste ano. Mas há muito ainda a ser feito: além das inscrições, tem a montagem da prova, escolha das salas e impressão, que demandam tempo. O Relatório de Monitoramento e Gestão de Riscos, realizado pela empresa Modulo, aponta a chance de “insuficiência de tempo para preparação do exame”.

Como explica a reportagem do Estadão, “são necessários 170 dias entre o fim de inscrições e o dia da prova para que todo o processo de elaboração, distribuição e logística seja cumprido”. Diminuir esse tempo pode gerar riscos no bom andamento do processo.

Estudantes que fizeram o pedido de isenção da taxa, na Página do Participante, na semana passada, relataram que no fim da solicitação apareceu a data do período de inscrição. Segundo o aviso, as inscrições para o Enem 2021 devem acontecer entre os dias 28 de junho e 9 de julho. O Inep tirou o aviso e ainda não anunciou uma data oficial. 

Mas, caso a informação prossiga, a prova poderia ser realizada só no fim de dezembro, seguindo o prazo regular de todo o processo antes do exame. O que é bem difícil acontecer já que é época de festas e há vários impasses, como a correria dos Correios durante esse período do ano. 

  • Anos anteriores

    As datas do Enem 2020 renderam um longa história no ano passado, que deixou muitos estudantes aflitos em meio à pandemia. Só depois de uma grande pressão que sofreu por parte do Congresso e de alguns setores da sociedade, o MEC cedeu e anunciou o adiamento do exame. A pasta, então, abriu uma consulta na qual os estudantes inscritos puderam votar por um adiamento de 30 a 60 dias da data inicial.

    Apesar de maio de 2021 ter sido o período escolhido pela maioria dos estudantes, o exame tradicional, que aconteceria nos dias 1º e 8 de novembro de 2020, foi remarcado para 17 e 24 de janeiro de 2021. O resultado do pedido de isenção de taxa de inscrição no ano passado foi divulgado no dia 24 de abril. E as inscrições aconteceram do dia 11 a 22 de maio – mesmo com o adiamento. Foram 241 dias corridos do fim das inscrições para a data da prova.

    Em 2019, as inscrições foram realizadas do dia 6 a 17 de maio. E o exame foi aplicado nos dias 3 e 10 de novembro, dois domingos consecutivos. Do fim das inscrições até o primeiro dia de prova, somaram-se 173 dias.

    Os prejuízos da incerteza

    O diretor pedagógico do Colégio Oficina do Estudante de Campinas (SP), Antunes Rafael, afirma que a falta de informações claras e o possível adiamento da edição 2021 do Enem compromete o planejamento dos educadores e alunos.

    Segundo o especialista, para que não haja lacunas muito grandes entre o encerramento das atividades e as datas da prova, as escolas precisarão rever seus calendários a fim de ‘esticar’ a revisão. “Isso é bastante prejudicial porque os materiais didáticos não foram pensados para um trabalho estendido e sim programados para nove meses de revisão teórica e aplicação de simulados”, explica Antunes.

    Continua após a publicidade

    O impacto psicológico desse momento de dúvida também é uma preocupação. O diretor observa:  “o aluno tende a ter mais cansaço, fadiga emocional, crises de ansiedade e episódios de depressão, uma vez que não vislumbra a finalização do seu processo de estudos e fica à mercê das incertezas  do seu ingresso no Ensino Superior”.

    A estudante do Colégio Oficina, Ana Beatriz Almeida, de 18 anos, desabafa que as informações imprecisas – e até conflitantes – dos órgãos competentes sobre a aplicação do Enem 2021 são “uma falta de competência e consideração”.

    Ana ressalta que o exame e a preparação são um período decisivo na vida de muitos jovens: “O Enem é muito importante para ficar ao léu”.

     

     

     

     

     

     

     

    Continua após a publicidade
    Publicidade