Clique e Assine a partir de R$ 20,90/mês

Retrospectiva: como notícias de 2020 podem cair no vestibular

Confira a lista dos acontecimentos mais pesquisados pelos brasileiros, segundo o Google

Por Wender Starlles 30 dez 2020, 15h50

Nesta contagem regressiva para 2020 acabar — ainda bem, né? — a maior plataforma de pesquisas online do mundo, o Google, divulgou uma lista com os assuntos mais buscados pelos brasileiros durante o ano. Como acompanhar todos esses eventos em um ano tão caótico?

Quem vai prestar vestibular precisa ficar por dentro das principais notícias do Brasil e do mundo, porque elas podem cair nas provas. Nós, do GUIA, temos a seção de Atualidades, viu? Além disso, para entrar no clima de revisão para as provas, confira quais foram os assuntos mais buscados no Google e como eles podem cair nas avaliações.

1) Coronavírus – Covid-19

Pandemia de covid-19 se espalhou por todos os continentes
Pandemia de covid-19 se espalhou por todos os continentes. Twitter/Reprodução

Tem como falar não falar de covid-19 este ano? O Sars-CoV-2, conhecido também como “novo coronavírus”, dominou os principais noticiários e rodas de conversas — na internet porque, por enquanto, a aglomeração de pessoas continua proibida. O vírus causador da Síndrome Respiratória Aguda Grave foi detectado pela primeira vez na cidade chinesa de Wuhan, em dezembro de 2019. De lá para cá, o mundo já registra mais de 80 milhões de casos e ultrapassa 1,7 milhão de mortes causadas pela doença. 

O GUIA produziu diversos conteúdos sobre coronavírus. “O que é um vírus? Como ocorre a transmissão? Qual o grau de eficácia de uma vacina? Qual risco de uma nova pandemia?”, são alguns dos exemplos.

  • 2) Eleições 2020

    Eleições municipais de 2020
    Eleições municipais de 2020. Governo Federal/Reprodução

    Em novembro, eleitores dos 5.570 municípios brasileiros escolheram os novos prefeitos e vereadores exceto Macapá, cujo pleito foi adiado para dezembro por conta dos apagões. Durante os preparativos para o período eleitoral,  diversas pessoas, inclusive políticos, demostraram não saber como funcionava exatamente os níveis e esferas dos poderes municipais. Por isso, o GUIA preparou uma série de reportagens que explicam de maneira bem didática as atribuições destes cargos, além de como monitorá-los após as eleições.

    Muitas cidades também elegeram pela primeira vez representantes da comunidade trans, mulheres negras e pessoas de origem periférica.
    Esse foi um passo importante para aumentar a diversidade nas câmaras brasileiras.

  • 3) Eleições nos EUA

    Eleições presidenciais dos EUA movimentaram as redes sociais com diversos memes
    Eleições presidenciais dos EUA movimentaram as redes sociais com diversos memes. Twitter/Reprodução

    As eleições americanas foram um show à parte em 2020. A disputa entre o republicano Donald Trump e o democrata Joe Biden, para assumir a presidência da maior potência global, chamou a atenção do mundo inteiro, principalmente nas redes sociais.

    Diferente do sistema eleitoral brasileiro, o voto nos EUA é facultativo. Isso significa que o cidadão pode ir ou não às urnas, sem a necessidade de justificar a ausência. Além disso, cada Estado tem um número de votos no Colégio Eleitoral (conhecidos como “delegados”), e vence a disputa o candidato que conseguir maioria simples de pelo menos 270.

    Esse sistema de eleição indireta, não garante a vitória do candidato que obtiver o maior número de votos da população. Basta lembrar da candidata democrata Hillary Clinton, em 2016, que teve quase 3 milhões de votos a mais do que Trump, mas perdeu na quantidade de delegados.

    A disputa foi marcada também por diversas polêmicas. Em um debate presidencial em setembro deste ano, Biden criticou a política ambiental brasileira em relação à Amazônia. Trump também acusou diversas vezes o governo chinês de ser o responsável pela pandemia de covid-19.

    Se você ficou um pouco perdido ou não conseguiu acompanhar esses acontecimentos, o GUIA reuniu uma série de reportagens que explicam como os resultados das eleições americanas podem afetar os governos mundiais, se é possível ou não interferir na Amazônia e qual é a importância de Kamala Harris ser eleita a primeira mulher negra vice-presidente dos EUA.

    Continua após a publicidade
  • 4) Caso Mariana Ferrer

    Empresário André Aranha, acusado de ter estuprado Mariana, foi inocentado.
    Empresário André Aranha, acusado de ter estuprado Mariana, foi inocentado. Instagram/Reprodução

    O caso da modelo e influenciadora digital Mari Ferrer ganhou destaque nos noticiários brasileiros, após um trecho de uma audiência realizada via videoconferência ser divulgada pelo The Intercept Brasil. O vídeo chamou a atenção pela postura do advogado do réu em relação à vitima. Ele insinua que a modelo faz “poses ginecológicas” e a acusa de ganhar o “pão com a desgraça dos outros”.

    Em 2019, Mari usou as redes sociais para denunciar que havia sido drogada e estuprada pelo empresário André de Camargo Aranha, em beach club de luxo em Florianópolis (SC).

    O assunto reascendeu diversas discussões a respeito da “cultura do estupro”, termo criado na década de 1970, durante a segunda onda feminista, que buscava explicar por que o estupro é uma forma de violência tão comum e, infelizmente, ainda muito naturalizada na sociedade.

    Outros casos como esse aconteceram em 2020, o que aumenta as chances do assunto cair nos vestibulares. O mais recente foi o do jogador Robinho e seu amigo Ricardo Falco que foram condenados em segunda instância pelo crime de violência sexual contra uma mulher albanesa, em 2013. A justiça italiana referendou pena para ambos de noves anos de prisão.

  • 5) Morte de George Floyd

    Gif com a frase
    O movimento “Black lives matter” (“vidas negras importam”) protagonizou diversos protestos nos EUA. Reprodução/Giphy

    Diversos protestos antirracistas tomaram de conta das ruas de cidades americanas ao longo do ano, após o assassinato de George Floyd. Ele, um homem negro de 46 anos, teve o seu pescoço pressionado pelo joelho de um policial branco durante mais de oito minutos.

    No vídeo gravado por uma testemunha, Floyd é imobilizado no chão e repete diversas vezes que não conseguia respirar (“I can’t breathe” – frase que se tornou símbolo do movimento antirracista). O caso reacendeu outros assassinatos cometidos por policiais brancos durante as abordagens. Isso trouxe à tona o racismo estrutural que permeia as instituições e sociedade americana.

    Segundo um levantamento realizado pelo jornal The Washington Post, a maioria das mortes cometidas por agentes policiais, em 2019, teve como vítimas afro-americanos.

  • Como foi sua vida escolar em 2020? Comenta nas redes sociais do GUIA 😉

     

    Prepare-se para o Enem sem sair de casa. Assine o Curso Enem do GUIA DO ESTUDANTE e tenha acesso a centenas de videoaulas com professores do Poliedro, que é recordista em aprovações na Medicina da USP Pinheiros.

    Continua após a publicidade
    Publicidade